sexta-feira, 22 de abril de 2011

Estabelecidos e outsiders .Do “trenzinho” à Winston Parva.

(Texto inspirado na situação de aprendizagem 3 .A formação da diversidade.Sociologia.Caderno do aluno 2 ano , 1 bimestre.Estado de São Paulo).    

          Os moradores mais antigos de Indaiatuba relatam a existência de sistema oposição entre duas localidades da cidade que hierarquizava as relações entre as pessoas que morava na parte superior da antiga estrada de ferro em relação aos que moravam na parte inferior .Atualmente o local é conhecido como o “trenzinho” que abriga um centro cultural com cursos e exposições , além de um pequeno museu que relembra os tempos áureos do sistema ferroviário paulista .De acordo com esta mitologia de origem da cidade, os que moravam na parte superior da estrada de ferro eram pessoas de boa índole , “gente de bem” , ou seja , as pessoas que morava no centro da cidade , no jardim Pau-Preto e etc.Este mesmo “sistema de metades” , classificavam os moradores da região abaixo da estrada de ferro como pessoas ruins , marginais , “estranhas”.Enfim , os moradores mais conservadores da região mais antiga da cidade (centro) nutriam preconceitos contra aqueles que residiam na região mais nova da cidade (periferias).Hoje em dia , as configurações espaciais hierárquicas da cidade passou por enormes transformações , e os “efeitos de lugar”, se utilizarmos a expressão de Bourdieu , configuram-se como totalmente outros , no entanto os moradores mais antigos , tanto da parte alta quanto da baixa da cidade ainda lembram desta divisão .

    Foi exatamente esta relação que Norbert Elias em parceria com J.L.Scotson encontrou na localidade do sul da Inglaterra que ganhou o nome fictício de Winston Parva ,relação esta descrita no famoso livro “Estabelecidos e Outsiders”, publicado em 1965.Este estudo inicialmente se ocupava dos diferentes níveis de delinquência verificados entre o lado mais antigo da cidade inglesa e o lado que era de ocupação mais recente , sendo que o primeiro possuía taxas de criminalidade menores do que o segundo .Porém passando-se mais ou menos 3 anos do início da pesquisa, em grande medida de carácter etnográfico, os níveis de delinquência entre os bairros se igualaram dada a diminuição nas taxas do bairro de ocupação recente .Frente a isso , Norbert Elias mudou o foco de sua pesquisa concentrando-se nas relações simbólicas construídas e em construção entre os bairros , afinal os níveis de delinquência haviam desaparecidos , no entanto , o bairro antigo continuava a nutrir preconceitos contra a área “nova” ao continuar classificando este local como lócus da delinquência em Winston Parva.

         No contexto destes bairros de Winston Parva ,ambos de formação operária , verifica-se segundo Norbert Elias o tema universal de sociedades baseadas nos pressupostos da hierarquização social , configurando um sistema de estratificação social  entre os “estabelecidos” e os “outsiders”. Sendo os moradores do bairro novo “outsiders” e os do bairro antigo como “estabelecidos”.O termo outsider não possui tradução exata para português , mas poderíamos classificar os grupos nesta situação como excluídos ou dominados .

                                        

        Os estabelecidos , seja em Winston Parva ou em outros contextos de estratificação ,se veêm como humanamente superiores , ou seja , possuem uma auto-imagem de que são “pessoas melhores”.Esta relação normalmente é vista como sendo criada entre grupos que diferem entre si em termos de nacionalidade , ascendência étnica , cor , tipo de ocupação profissional , classe econômica e assim por diante .No entanto , o caso de Winston Parva é paradigmático, pois Norbert Elias não encontrou nenhuma diferença significativa entre os bairro antigo e o novo , afinal em ambos os moradores eram operários , não diferindo em termos de classe social , racial , étnico e assim por diante.Segundo o autor , este exemplo é fundamental para percepção de que as relações em geral entre “estabelecidos” e “ousiders” são reguladas por diferenças de poder , sendo assim , está em questão nestes relacionamentos as diferenças no equilíbrio de poder entre os grupos  .

          Deste modo , os artifícios de exclusão e inferiorização do outro tem como função marcar esta diferença de poder , bem como construir justificativas que legitimem a partir da estigmatização a dominação e o poder dos estabelecidos, sendo que tal relação pode ser dar de modo consciente ou inconsciente .O que configura melhores condições de acessos a bens e recursos materiais e simbólicos para aqueles que detêm o poder .

        Este poder em Winston Parva se materializava no grau de coesão das famílias do bairro antigo, profundamente integrados entre si, e não no poder econômico ou político característicos de outros sistemas de hierarquização .O tempo de moradia era a única diferença significativa entre os moradores do bairro velho e do novo .Os moradores do bairro novo de posse deste sentimento de superioridade e da capacidade de formar uma “panelinha” bem coesa conseguiam se organizar para obter os melhores cargos nas organizações locais como a escola , o clube , a fábrica e assim por diante.Tal panelinha se fortalecia pela capacidade ,construída neste histórico maior de moradia, na obediência quase irrestrita dos indivíduos às regras do grupo.Por outro lado , se o indivíduo não obedecesse as regras grupais , que em grande medida eram aquelas que prescreviam o tabu do não contato com as pessoas do bairro novo bem como a observância da manutenção do estigma do outro, este era vítima do repúdio do grupo e da consequente exclusão , através  de mecanismos como a “fofoca” e a exclusão sistemática das atividades grupais .Diante deste quadro , mesmo que o morador do bairro antigo discorda-se do sistema , não possuía a coragem necessária para se rebelar contra tal situação , ou seja , quase ninguém “pagava pra ver”!

          Como já explicitado antes ocorre o processo de estigmatização do outro nas relações entre “estabelecidos e outsiders” afim de perpetuar e legitimar a dominação.Estigmatizar , no entanto , é diferente do processos de preconceito , sendo o ultimo de caráter individual onde os “defeitos” são atribuídos a sujeitos particulares , enquanto no estigma os atributos negativos são direcionados ao grupo como todo , no caso de Winston Parva a todas as pessoas do bairro novo , o que Norbert Elias denomina de “desonra grupal”.Por fim , Norbert Elias verifica a introjeção ou aceitação em alguns moradores do bairro novo dos atributos negativos relativos ao estigma , relação presente em alguns sistemas de “estabelecidos e outsiders” ao aceitar passivamente a dominação do outro.

          Segundo Nobert Elias tais relação entre grupos “estabelecidos e outsiders” esta presente nas relações entre dominantes e dominados presentes em contextos de estratificação calcados na hierarquização social , e Winston Parva é um exemplo paradigmático para a estrutura dessa relação , no entanto , não é o único exemplo .Sendo estas estruturas marcadas pela exclusividade da posse do poder por um grupo que estigmatiza consciente ou inconscientemente o outro afim de perpetuar e legitimar este poder, conseguindo acessos privilegiados à bens e recursos materiais e simbólicos .

         Hoje não é mais a linha do trem que regula os efeitos de lugar em Indaiatuba , dada as novas configurações espaciais da província , porem os nativos bem sabem os locais estigmatizados da cidade , que conservam uma semelhança com antiga cosmovisão das relações espaciais da cidade .Muitas pessoas , por exemplo , ficam de “orelha em pé” quando falo que moro no Jardim Oliveira Camargo !!!!

           Por ultimo , proponho aos leitores ver o documentário “daqui nóis não arreda o pé” , e observar os processos de estigmatização e do estabelecimento de uma relação “estabelecidos e outsiders” ,na relação entre duas velinhas, expulsas do campo, e os citadinos de uma pequena cidade mineira para qual elas se mudam.Relação de tal modo tensa , que envolve a acusação indevida de violentas e loucas em relação as senhoras , bem como um abaixo assinado para a explusão das mesmas e processos judiciais.

Bibliografia.

ELIAS, Norbert & Scotson, John L. Os Estabelecidos e os Outsiders – Sociologia das Relações de Poder a partir de uma Pequena Comunidade.
Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2000

BOURDIEU, P. Efeitos do lugar. In : BORDIEU, P. (org.) A miséria do mundo. Rio de Janeiro: Vozes,
1997.

Um comentário:

  1. seviu de muita utilidade essa postagem, pois como a minha sala é muitoooo bagunceira, não consigo me concentrar e prestar a devida atenção nas aulas de sociologia, que é fundamental!!!

    obrigado professora!! :)

    ResponderExcluir