terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Homem é um ser social.

 

É possível existir ser humano fora de um contexto social e cultural ?!!!

“Ramu, o “menino lobo”, foi um garoto criado por uma alcatéia e encontrado por pessoas quando tinha 10 anos de idade. Criado por lobos, não teve contato com seres humanos até o momento em que foi encontrado. Não tomava banho, não se vestia, andava de quatro e se alimentava de carne crua, como os lobos com quem foi criado. Jamais aprendeu a falar e nuca deus sinais de querer se integrar socialmente.”O Estado de São Paulo 22/02/85.

“Amala e Kamala era duas meninas que foram descobertas em 1921 numa caverna da Índia, vivendo entro lobos. Tinham, respectivamente, mais ou menos 4 e 8 anos de idade quando foram encontradas. Ambas apresentavam hábitos alimentares bastante diferentes dos nossos. Como fazem normalmente os animais, elas cheiravam a comida antes de tocá-la, dilacerando o alimento com os dentes e poucas vezes fazendo uso das mãos para beber e comer. Possuíam aguda sensibilidade auditiva e desenvolvimento do olfato para a carne. Locomoviam-se usando as mãos e os pés, de modo quadrúpede, como os lobos. Kamala demorou seis anos para aprender a andar sobre duas pernas, isto é, de modo bípede e ereto.” A.Xavier Teles, Estudos sociais.pg115-116.

“O menino Kaspar Hauser apareceu pela primeira vez numa praça de Nuremberg, em maio de 1828. Era um estranho: ninguém sabia quem era ou de onde vinha. Trazia uma carta de apresentação anônima para o capitão da cavalaria local, contando que fora criado sem nenhum contato humano, em um porão, desde o nascimento até aquela idade (provavelmente 15 ou 16 anos) e pedindo que fizessem dele um cavaleiro como fora seu pai.Ficou-se sabendo mais tarde (quando K. Hauser aprendeu a falar) que uma pessoa, que ele não conheceu, tratava dele enquanto esteve isolado, deixando-lhe alimentos enquanto ele dormia.Acolhido na casa de um professor que se ocupou de iniciar sua socialização, é assassinado em 1833 (o filme de Werner Herzog sugere que K. Hauser foi assassinado pelo próprio pai).Quando apareceu em Nuremberg, o garoto não entendia nada do que lhe diziam; sabia falar apenas uma frase: "quero ser cavaleiro" e não sabia andar direito. Parecia um menino dentro de um corpo adolescente. Seu comportamento estranho para os padrões sócio-culturais estabelecidos, causava um misto de espanto e interesse. Era visto como um "garoto selvagem," apesar de demonstrar ser dócil, simples e gentil. Possuía algumas habilidades peculiares interessantes, descritas tanto no filme de Herzog, quanto na obra de Masson: conseguia enxergar muito longe, no escuro, e sabia tratar os animais, principalmente os pássaros. Ao mesmo tempo tinha medo de galinhas e fugia delas aterrorizado. Numa das cenas, atraído pela chama de uma vela, colocava seu dedo no fogo e, ao sentir dor, aprende que a chama queima.”Retirado de Maria Clara L.Saboya.O enigma de Kasper House.

Diante desses casos , podemos concluir que o homem animal só é verdadeiramente ser humano se estiver inserido em um contexto cultural e social .Dos contextos de isolamento apresentados acima , podemos concluir que até para funções biológicas básicas como andar e falar é necessário ao homem estar imerso em relações sociais, são frutos do processo de socialização assim como a religião e os valores de uma dada cultura.A sociedade nos faz humanos , não há uma distinção real entre natureza e cultura no que tange ao seres humanos .

Veja o Filme “O engima de Kasper House” :

Link para download do Filme .

• Direção: Werner Herzog
• Roteiro: Werner Herzog
• Gênero: Drama
• Origem: Alemanha
• Duração: 110 minutos
• Tipo: Longa-metragem.

Arquivo :RMVB.

http://www.megaupload.com/?d=NX3NIZF2

              As formas elementares do parentesco na origem das culturas.        

            Por esta razão o antropólogo Levi Strauss , em “as formas elementares do parentesco” , afirmou que somente é possível pensar a origem da cultura como uma passagem “lógica” entre natureza e cultura , nunca como um momento histórico determinado.Essa passagem lógica seria marcado pelo regra presente em todas culturas da “proibição do incesto” , uma regra da cultura que regulamenta a sexualidade que está na dimensão biológica do ser-humano .

         O tabu do incesto é qualquer regra que proiba uma pessoa de “casar-se com outra” de uma mesmo grupo de parentesco .Segundo Levi –Strauss essa regra existe para que um grupo humano possa trocar elementos simbólicos e materiais , produzindo cultura."Trocar mulheres” ( as feministas não gostam desta parte.rsrsrs) significa trocar informações entre grupos humanos .

Bibliografia.

Levi-Strauss.As formas elementares do parentesco.

Nenhum comentário:

Postar um comentário